Polícia apreende “K4”, droga 100 vezes mais forte que maconha e inédita em MS

Header Ads Widget

Ticker

6/recent/ticker-posts

Polícia apreende “K4”, droga 100 vezes mais forte que maconha e inédita em MS

Placa com pontos de “K4”, droga sintética semelhante ao LSD (Foto: Adilson Domingos)

Maconha sintética chegou pelos Correios e seria levada para a penitenciária de Dourados

Droga sintética chamada de “K4”, 100 vezes mais forte que a maconha, foi apreendida pela primeira vez em Mato Grosso do Sul, nesta quarta-feira (19). Pelo menos 500 pontos do alucinógeno foram encontrados por policiais da Defron (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira) com mulher de 52 anos em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

“A droga é tão forte que se você colocar a mão nela, o corpo já absorve o entorpecente”, disse o chefe da Defron, Rodolfo Daltro.

A droga seria levada para a PED (Penitenciária Estadual de Dourados) por Izailda Camilo de Carvalho, moradora na Vila industrial. O marido dela cumpre pena no presídio, o maior de Mato Grosso do Sul com quase 2.400 presos. Izailda foi presa assim que recebeu a droga, por Sedex.

Veja o vídeo:

Encontrada em presídios paulistas desde 2019, a “K4” é conhecida como maconha sintética por ser feita com substâncias que simulam os efeitos do THC, alucinógeno presente na erva cultivada na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul.

Segundo o delegado Rodolfo Daltro, a droga semelhante ao LSD foi criada em laboratório principalmente para abastecer os presídios por ser fácil de ser introduzidas pelos visitantes.

O delegado explica que a K4 faz o caminho inverso da maconha paraguaia, que sai da fronteira com destino aos centros consumidores do País. A droga sintética chegou primeiro nas grandes cidades e começa a se espalhar pelo interior brasileiro.

Izailda Camilo de Carvalho já tinha sido presa por introduzir drogas na PED e será novamente autuada em flagrante.

Izailda de Carvalho é conduzida à delegacia após ser presa com droga sintética (Foto: Adilson Domingos)

Fonte: Campo grande news

Postar um comentário

0 Comentários