Idoso de 105 anos se recupera em casa após testar positivo para Covid-19

Header Ads Widget

Ticker

6/recent/ticker-posts

Idoso de 105 anos se recupera em casa após testar positivo para Covid-19

Ilustração

Morador de Arapongas, no norte do Paraná, chegou a ficar internado no hospital Santa Casa. Ele e a esposa, de 98 anos, têm contato com a cuidadora e os filhos.


Um idoso de 105 anos, morador de Arapongas, no norte do Paraná, teve alta de um hospital e está se recuperando em casa após testar positivo para a Covid-19.

José Matos foi internado no dia 6 de junho no hospital Santa Casa com diarreia. Três dias depois, ele fez o teste para o novo coronavírus e, no domingo (14), o resultado positivo para a doença foi divulgado. Agora, Matos está em isolamento domiciliar.

A neta do idoso, Adriana Matos, contou que ele está se recuperando bem junto a esposa, que tem 98 anos, e com uma cuidadora. O casal está casado há 73 anos.

A família ainda não sabe como ele foi infectado. Desde o início da pandemia, os idosos têm contato apenas com a cuidadora e os filhos.

“Ele é bem ativo, se alimenta sempre muito bem e faz caminhada no próprio quintal, está sempre se mexendo. Ele é muito alegre, para tudo tem um poema, para tudo tem uma piada. É muito bem-humorado e temente a Deus. A força dele inspira toda a família”, disse.

O casal tem três filhos, dois moram em Arapongas e um em Campo Mourão, no centro-oeste do estado. A partir desta terça-feira (16), todos os membros da família serão testados para Covid-19.

Em Arapongas, 107 moradores foram diagnosticados com o novo coronavírus, sendo que três não resistiram e morreram por complicações da doença.

Neta de idoso diz que avô está se recuperando bem após receber alta de hospital — Foto: Reprodução/RPC

Recuperação

Dados da Secretaria Estadual de Saúde revelam que um a cada três paranaenses infectados pelo novo coronavírus se recuperou até esta terça-feira. Dos 9.716 diagnósticos positivos, 3.113 receberam alta médica, o que dá 32% do total de contaminados.

A recuperação é mais rápida e mais frequente entre os mais jovens, por isto chama a atenção quando há recuperação de pacientes com mais de 100 anos de idade.

FONTE: RPC G1

Postar um comentário

0 Comentários