COMPARTILHE


 Clique aqui para entrar
Clique para entrar ������

Alunos fazem homenagem a colegas mortos uma semana após massacre em escola

Ato ecumênico reúne representantes de pelo menos cinco religiões uma semana após o massacre na Escola Estadual Raul Brasil — Foto: Maiara Barbosa/G1

Uma semana após o massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, alunos de outras escolas e até outras cidades fazem homenagens às vítimas. Alguns foram à escola levando cartazes com mensagens de apoio, outros distribuem flores ou cantam, e dezenas fazem abraços coletivos.





Um ato ecumênico organizado pela Secretaria Estadual da Educação começou a ser realizado na quadra às 10h25, e reúne representantes de pelo menos cinco religiões. Também participam o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares da Silva, e o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi.
Alunos de Poá se abraçam na frente da Escola Estadual Raul Brasil, uma semana após massacre — Foto: Maiara Barbosa/G1
Empresária Hérica Suzart percorreu mais de 50 quilômetros nesta manhã para distribuir abraços e flores na escola Raul Brasil uma semana após massacre em Suzano — Foto: Maiara Barbosa/G1

A empresária Hérica Suzart percorreu mais de 50 quilômetros nesta manhã para distribuir abraços e flores. Ela levou 300 botões de rosas.

"Vim para prestar solidariedade e para dar um abraço, passar que ainda existe esperança. Já era para eu ter vindo antes, porque distância não é problema."





Após o ato ecumênico, professores, servidores, estudantes, familiares e voluntários que apoiam o retorno das atividades escolares realizarão um abraço coletivo em torno do prédio.
Estudantes cantam e fazem homenagem na Escola Raul Brasil em Suzano — Foto: Maiara Barbosa/G1

Um grupo de Poá, com 30 alunos, chegou cedo à Raul Brasil. A estudante Maria Alice Costa Santos, de 15 anos, cantou louvores na rua. Ela não conhecia as vítimas.

"Nós somos todos irmãos. Nós sentimos a dor do outro. É muito forte para nós, porque nós viemos aqui em solidariedade, sentir a presença de todos que estavam aqui", diz Maria.

Para a jovem, as vítimas do massacre tinham a missão de ensinar quem fica. "Eles nos deram uma lição que é aproveitar o hoje com quem a gente ama. Deixar o orgulho de lado, as mágoas de lado, para nós sentirmos o amor que é estar um com outro", diz entre lágrimas.





Alunos de colégio particular fizeram um mural com bilhetes para alunos da Escola Raul Brasil em Suzano — Foto: Maiara Barbosa/G1
Jatyxaiane da Silva, de 17 anos, veio de Poá com mais 30 estudantes para participar do ato na Escola Raul Brasil em Suzano — Foto: Maiara Barbosa/G1

Jatyxaiane da Silva, de 17 anos, também é de Poá e conhecia um dos mortos no massacre, Douglas Murilo Celestino de 16 anos. O estudante conseguiu sair da escola durante o massacre, mas voltou para ajudar a namorada, Adna Bezerra, também de 16 anos. Ela continua internada no Hospital das Clínicas.

“É bem pesado, você fica abatido. Queria conversar com eles pra saber se estavam bem. A gente se coloca no lugar do outro. Por isso, nos organizamos de vir aqui hoje e fazer mais essa homenagem para eles.”
Onze pessoas ficaram feridos e precisaram ser hospitalizadas depois o massacre. Dessas, três seguem internadas em hospitais de Mogi das Cruzes e São Paulo.





O ataque
Os assassinos de 17 e 25 anos mataram sete pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, na quarta-feira (13). Um deles baleou e matou o próprio tio, em uma loja de automóveis.

A investigação aponta que, depois do ataque na escola, um dos assassinos matou o comparsa e, em seguida, se suicidou. A polícia diz que os dois tinham um "pacto", segundo o qual cometeriam o crime e depois se suicidariam.


Fonte: G1

Compartilhe no Google Plus

Sobre Itaquirai News

Itaquirai News Seu Portal de Noticias de Itaquirai e Região

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe Seu Comentário...

DOE E AJUDE A MANTER O SITE